Investimentos

Investimento em COE: Como funciona e rentabilidade

coe

Saiba como funciona o investimento em COE – Certificado de Operações Estruturadas, veja também quais os riscos, rentabilidade, vantagens e desvantagens deste investimento.

O perfil do investidor brasileiro é mais conservador, se comparado a investidores de outros países do mundo. Por conta dessa característica, muitas pessoas têm receio de investir seu dinheiro em aplicações de maior risco, como as bolsas de valores.

Entretanto, existe um tipo de investimento que apresenta a mesma segurança dos fundos de renda fixa e a mesma rentabilidade das bolsas de valores, sabidamente maior. Esse investimento é o COE.

O que é o investimento em COE

O Certificado de Operações Estruturadas (COE) é uma complexa operação financeira, que se utiliza de derivativos de operações avançadas em bolsa de valores. De maneira simplificada, o investimento em COE é uma forma de investir em qualquer ativo sem o risco de perda no valor de investimento.

E neste caso, qualquer ativo significa qualquer ativo mesmo. Pode ser a bolsa americana ou ações da bolsa brasileira, commodities, moedas estrangeiras e suas variações cambiais, seguros ou outras modalidades de investimento.

O investimento em COE é um dos mais versáteis do mercado, e deve ser baseado em emissores confiáveis. Mais do que avaliar o banco ou instituição financeira, é preciso verificar o emissor da operação, pois o risco da operação depende diretamente dele.

É o emissor da operação que vai realizar a análise do ativo. Se por exemplo se tratar da bolsa de valores, mais do que a variação do gráfico de altas e baixas do mercado, é preciso estar atento à análise dos fundamentos do ativo, no caso a bolsa. E é essa a função principal do emissor da operação.

Como funciona o investimento em COE

O investimento em COE funciona a partir das barreiras que a mesa de operações define para um determinado ativo. Voltando ao exemplo da bolsa de valores, imaginemos que um ativo pode valorizar ou desvalorizar, como qualquer ativo.

A barreira implica em evitar perdas catastróficas ou lucros exorbitantes, definindo assim que o ativo flutue apenas nessa margem de segurança. As barreiras são opções definidas pela mesa de operações, que sempre acionam um gatilho de compra ou venda quando se aproxima muito da margem de segurança.

Como exemplo, imagine que você fez o investimento em COE de uma empresa, e ele vai vencer em 6 meses. A mesa de operações estabeleceu que as ações dessa empresa vão subir, e no dia da compra, elas valiam R$ 10,00.

Nesse exemplo, sua barreira será R$ 10,00, para que você não perca dinheiro. A outra barreira é para cima, por exemplo, R$ 15,00. Depois de 6 meses, podem ocorrer os seguintes cenários:

  • Ações caíram a R$ 8,00 – você não perde nada, pois sua barreira estava em R$ 10,00
  • Ações a R$ 12,00 – você ganhou dois e ficou dentro da margem da barreira
  • Ações a R$ 15,00 – você lucrou e ficou dentro da margem da barreira
  • Ações a R$ 17,00 – você deixou de ganhar mais dois, pois ultrapassou a barreira.

As barreiras são um mecanismo de proteção e no exemplo anterior as ações subiram mais do que o esperado. Mas na bolsa, é comum acontecer o contrário, ou seja, perda. O investimento em COE permite que se participe dessas operações de maior risco, porém, com um risco calculado e previsto.

Imposto de Renda

Como a maioria dos investimentos de renda fixa, a COE tem incidência de imposto de renda sobre os vencimentos. A alíquota cobrada segue a tabela progressiva do IR, ou seja, quanto maior o prazo de seu investimento, menor será o valor cobrado de imposto.

Confira a tabela.

Tabela regressiva imposto de renda
Prazo do investimento Alíquota de IR
Até 180 dias 22,5%
181 até 360 dias 20,0%
361 até 720 dias 17,5%
Acima de 720 dias 15,0%

Caso deseje investir em um produto que não cobra imposto de renda, pode escolher a LCI. Veja aqui nosso artigo sobre LCI e saiba como funciona esse investimento.

Riscos e rentabilidade do investimento

A rentabilidade do investimento em COE depende das barreiras que seu agente emissor determina, e isso é variável. Na prática, cada tipo de ativo irá ter sua margem de rentabilidade.

Os riscos, como já vimos, são calculados, portanto, bem menores do que a aplicação direta na bolsa, onde os riscos são muito maiores e até mesmo, imprevisíveis, flutuando de acordo com a vontade do mercado.

Vale ressaltar que o investimento em COE é vantajoso apenas em médio prazo, ou seja, de 6 meses a 3 anos.

Como investir no COE

Para investir no Certificado de Operações estruturadas o primeiro passo é procurar uma instituição bancária autorizada pelo Banco Central a operar esse tipo de investimento.

Com a equipe do banco você poderá obter mais informações sobre o investimento em COE e também fazer diversas simulações sobre quais os ativos são os mais atrativos. Com boa orientação da equipe e com segurança no emissor da operação, esse tipo de investimento pode trazer excelentes lucratividade, com riscos controlados e margens seguras.

Leave a Reply

Comodo SSL