Investimentos

Dicas de investimento em CDB e Tesouro Direto

investimento em tesouro direto e cdb

Estamos vivendo a “Era da Informação” e isso tem reflexos diretos nos nossos estudos sobre investimentos, tanto positivamente, quanto negativamente.

Quando queremos começar a investir encontramos dificuldades, principalmente pelo excesso dessa informação e pelo tanto de “sopa de letras” no mundo das finanças, o famoso “economês”. Parece que tudo é feito para dificultar, mas não é.

Muitas vezes não conseguimos alinhar tantas informações. Parece que, quanto mais nós pesquisamos e nos informamos, mais complicado fica. Não é bem assim.

Se essa é também a sua impressão, este artigo é ideal para você. Explicarei aqui de modo que você consiga dimensionar os principais investimentos do nosso mercado financeiro.

Falaremos dos 2 principais investimentos de Renda Fixa:

Por serem classificados como investimentos de Renda Fixa, sabemos no momento da aplicação quais são as regras e como seremos remunerados.

Segundo a CETIP (Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos Privados):

“Investir em Renda Fixa significa emprestar dinheiro para alguém, como banco, empresa ou para o governo. Na contrapartida, você recebe uma remuneração. Quem ganha com isso não é só o investidor. Para quem emite esse título, é uma forma de captar recursos e financiar seus projetos ou negócios, gerando mais oportunidades para nosso país.”

Veja agora um detalhamento de cada um.

Certificado de Depósito Bancário (CDB)

O que é?

É um tipo de investimento de Renda Fixa no qual, para captar recursos, os bancos emitem certificados que, por sua vez, para que sejam atraentes, são oferecidos com juros.

Como consigo investir?

Através dos próprios bancos ou através de corretoras. Basta abrir conta em alguma corretora solicitando seu cadastro, procurar os CDB’s disponíveis, fazer sua avaliação (qual apresenta o melhor risco x rentabilidade para o período que quero investir) e investir.

Como são os rendimentos?

Pode variar. Vou apresentar aqui os tipos de rendimentos.

Podemos encontrar CDB’s com rendimentos atrelados ao IPCA (para facilitar considere o IPCA = Inflação), ou seja, ele rende o IPCA mais uma porcentagem em juros. Título ideal para quem quer garantir um retorno acima da inflação. Faça uma simulação de CDB e calcule o rendimento de sua aplicação.

Podemos encontrar CDB’s prefixados que são títulos com uma taxa de rendimento fixa por ano.

E podemos encontrar também CDB’s que rendem uma porcentagem do Certificado de Depósito Interbancário (CDI). O CDI acompanha de perto a Selic, que é a taxa básica de juros e o principal balizador da Economia.

Quais são os possíveis riscos?

O risco de investir em um CDB é, de forma resumida, o banco no qual foi feito o investimento vir a falência. Porém existe um mecanismo chamado Fundo Garantidor de Crédito (FGC), que garante ao investidor o valor de R$ 250.000,00 por pessoa e por instituição. Ou seja, caso você tenha até esse valor investido em uma única corretora, seja em capital, seja em capital mais o rendimento, você tem o seu dinheiro de volta garantido pelo fundo.

Verifique se o banco no qual você irá fazer o investimento é associado ao FGC.

Outro mecanismo interessante é o Banco Data (www.bancodata.com.br), no qual é possível verificar como anda a saúde de várias instituições financeiras através de dados e relatórios.

Quais são os custos?

Os custos de investir em um CDB podem ser resumidos em apenas dois ou três:

  • Imposto sobre Operações Financeiras (IOF): cobrado sobre o rendimento através de tabela regressiva nos primeiros 30 dias. Do trigésimo dia em diante não é mais cobrado.
  • Imposto de Renda (IR): cobrado através de tabela regressiva onde, até 180 dias, é recolhido automaticamente do investidor 22,50% ao ano sobre o rendimento, de 181 a 360 dias 20%, de 361 a 720 17,50% e acima de 720 dias 15%.
  • Taxa de Administração: algumas poucas corretoras podem cobrar uma taxa de administração do seu título.

Tesouro Direto

O que é?

O Tesouro Direto é um título público criado por iniciativa do governo para captar recursos para pagar a dívida pública. É também um investimento de Renda Fixa no qual você empresta dinheiro ao governo e recebe de volta o mesmo montante acrescido de juros numa data futura.

Como são os rendimentos?

Os rendimentos no Tesouro Direto se assemelham bastante ao rendimento dos CDB’s.

Podem ser prefixados (Tesouro Prefixado e Tesouro Prefixado com juros semestrais), com o rendimento já definido e pós-fixados (Tesouro IPCA, Tesouro IPCA com juros semestrais e Tesouro Selic), onde o rendimento depende de algum índice (IPCA/Selic). Utilize nosso simulador do tesouro direito e calcule seus rendimentos nos títulos públicos.

Quais são os possíveis riscos?

O risco de investir no Tesouro Direto é o de ocorrer um calote do governo e você não receber o seu dinheiro quando vender o título. Porém acredito que nenhum governo em sã consciência faria isso. Seria um tiro no próprio pé já que, investidores brasileiros e estrangeiros perderiam a confiança no governo e, consequentemente injetando bem menos dinheiro no país.

Quais são os custos?

Os custos de investir no Tesouro Direto são os mesmos do CDB, ou seja, IOF, IR e Taxa de Administração da Corretora (quando houver). Acrescente aí a taxa de custódia cobrada pela BM&FBOVESPA de 0,30% ao ano sobre o valor do título. Essa taxa é cobrada referente aos serviços prestados.

CONCLUSÃO

Tudo que você precisava saber de forma ao menos resumida sobre os dois mais populares investimentos do mercado, você viu neste artigo.

As principais perguntas que você precisava fazer para investir neles foram aqui respondidas:

  • O que é;
  • Como são os rendimentos;
  • Quais são os possíveis riscos; e
  • Quais são os custos.

Pesquise mais a fundo sobre cada tipo de investimento e seus rendimentos e faça um paralelo com o seu objetivo. Assim você conseguirá escolher o melhor investimento para você e seus planos futuros.

Leave a Reply

Comodo SSL